Pelicano Swarm

SkyDrones testa drones de pulverização que operam de modo coletivo

Brasileira SkyDrones e a Israelense SkyX testam drones de pulverização com capacidade para operar de modo coletivo e cooperativo (Swarming) nas lavouras. Primeiros ensaios de campo para pulverizações ocorreram este mês no Rio Grande do Sul e expectativa é de que a tecnologia esteja disponível no mercado nacional já em setembro

Teste iniciados nesse mês no Rio Grande do Sul devem levar o País a contar, até o final do ano, com tecnologia para o uso de drones de pulverização com voos automáticos no sistema swarming (do inglês voo em enxames ou “enxameamento”). O objetivo é otimizar o trato de lavouras com aparelhos pequenos – dentro do limite de 25 quilos previstos na legislação brasileira para veículos aéreos não-tripulados (vants) sem a exigência de certificação do aparelho e do piloto.

A ideia está sendo viabilizada com a parceria entre a empresa brasileira SkyDrones e a israelense SkyX. A primeira, com sede em Porto Alegre e especializada em soluções com aparelhos não-tripulados tanto para captação e processamento de imagem para diagnósticos em lavouras e diversas outras frentes de atuação, além de equipamentos para pulverização. Já a parceira estrangeira, com sede em Ramat Hasharon (a 14 quilômetro de Tel Aviv), está entrando com a tecnologia de voo em grupo, com os drones “conversando” entre si, de modo que um complemente o outro na operação e contando ainda com sistema que previne colisões entre os aparelhos ou com obstáculos.

Ou seja, no caso das pulverizações, a SkyDrones entra com os drones de imagens (que avaliam as culturas e geram os mapas precisos sobre como está a lavoura e os locais com plantas daninhas) e os equipamentos de pulverização, onde se insere o mapa do diagnóstico e o equipamento decola executa a operação sozinho – mas com o operador acompanhando em tempo real e podendo intervir em caso de problemas, como determina a legislação brasileira. Já a SkyX possui algoritmos patenteados para que dois ou mais aparelhos decolem, também com planejamento otimizado pré-voo, pilotagem automatizada e análise de dados pós-voo.

VOOS PRÁTICOS

Os primeiros testes práticos ocorreram no último dia 13, no campo de testes da SkyDrones em Gravataí, na Região Metropolitana de Porto Alegre, e foram considerados um sucesso. “Antes desse voo, engenheiros da SkyX trabalharam remotamente por duas semanas com os engenheiros da SkyDrones para preparar a integração de nossos drones com o sistema Israelense”, explica o CEO da empresa brasileira, Ulf Bogdawa. Segundo ele, o próximo passo agora será o teste em aplicações reais para identificar pontos de melhoria no sistema. “Nossa intenção é poder oferecer essa tecnologia comercialmente a partir de setembro, já na segunda safra brasileira”, completa.

“Estamos profundamente impressionados com o profissionalismo da SkyDrones e esperamos alavancar nossa sinergia para oportunidades tangíveis nos mercados da América do Norte, Central e do Sul”, ressalta o CEO da SkyX, Eylon Sorek, indicando que a parceria entre as duas empresas deve se expandir para o continente. “Apresentamos uma solução que vai mudar drasticamente o conceito de pulverização agrícola e estabelecerá novos padrões de segurança e precisão nesse tipo de operação”, assinala Sorek.

APRESENTAÇÕES AO PÚBLICO

A tecnologia vai ser apresentada pela primeira vez ao público brasileiro no próximo mês, em São Paulo. Será durante o Congresso da Aviação Agrícola do Brasil, que ocorrerá de 30 de julho a 1º de agosto em Sertãozinho (na Região Metropolitana de Ribeirão Preto). O evento promovido pelo Sindicato Nacional das Empresas de Aviação Agrícola (Sindag) é o maior do País sobre soluções áreas para lavouras e terá uma edição com recorde de expositores este ano – 120 estandes, de fabricantes de aviões e drones a tecnologias embarcadas diversas.

Em novembro, será a vez da feira em Israel, com o sistema sendo exposto na 8ª Conferência Internacional sobre Veículos não-Tripulados (UVID Conference 2019), em Tel Aviv.

SOBRE SKYX

A Sky X é uma empresa de tecnologia de robótica agrícola especializada em modelos de trabalho integrado entre os equipamentos. Ela possui patente de algoritmos de sistemas swarming, que possibilitam operações por grupos de drones tanto em taxa variável e pulverizações em pontos específicos (correções de problemas localizados) quanto em cobertura uniforme em toda a lavoura. Fundada em 2017, a empresa cresceu com apoio de investidores do mercado financeiro e com subsídios do governo Israelense.